Pular para o conteúdo principal

Jovem de 19 anos que morreu na Kiss tinha ido trabalhar no lugar da mãe

Janaina Portela, 19, que morreu em incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, tinha ido trabalhar no lugar da mãe
 
Janaína Portela, 19, não era estudante universitária e nem tinha saído de casa para se divertir quando encontrou a morte. Pobre, moradora da periferia de Santa Maria, em um bairro com o nome inspirador de Chácara das Flores, Janaína nem era para estar na boate Kiss na noite de sábado para domingo.
 
Estava porque a mãe dela, Natalícia Moraes da Silva, 53, empregada como lavadora de copos da boate, naquele dia não estava se sentindo bem. Era um mal-estar generalizado por todo o corpo.
 
Como já havia acontecido outras vezes, a mãe pediu à filha que fosse trabalhar em seu lugar. Janaína foi. Sem carteira e sem contrato.
 
Ontem no começo da tarde, o corpo da menina foi enterrado no cemitério de São Martinho da Serra, cidadezinha ao lado de Santa Maria.
Da Chácara das Flores saíram vans, cinco carros e um ônibus cheio de vizinhos (75 ao todo), para o enterro.
 
Janaína, dizem seus amigos, até havia conseguido fugir da boate em chamas. Mas preferiu voltar, para ajudar no salvamento de conhecidos.
 
"Ela saiu e voltou uma vez, duas. Na terceira, não saiu mais", diz a investigadora de polícia Fátima Nascimento, 32, que estava no local a trabalho (ela apurava a infiltração de menores e o tráfico de drogas).
 
"Sinto um remorso imenso por não ter conseguido voltar, como a Janaína fez, para resgatá-la. Nem que eu tivesse perdido a vida, eu deveria ter voltado ainda uma vez", disse a policial, curativos espalhados no pescoço, braços e mãos, além de marcas de queimaduras nas costas.
 
Fátima fala com um fiapo de voz. Ainda tem a garganta queimada pela fumaça.
 
A mãe Natalícia exime Kiko Spohr, um dos donos da Kiss, de responsabilidade na morte da filha. "Ele sempre nos ajudou em tudo o que pode. Já emprestou dinheiro, quando necessitamos; ele é um homem maravilhoso. Se ele está comendo um doce, e você está sem, ele divide."
 
"A pessoa está tomando água, engasga e morre. A culpa é da água? Não. Foi Deus quem quis essa pessoa ao seu lado", diz ela, entre soluços, o rosto banhado em lágrimas.
 
SEM PERDÃO
 
O outro filho de Natalícia, Fábio, 24, diz que a mãe não para de se culpar pelo que aconteceu. "Que mãe não desejaria morrer no lugar? Mas aconteceu justo o contrário".
 
Fábio, que hoje trabalha em Florianópolis, Santa Catarina, como padeiro, era o protetor de Janaína, que nasceu com apenas 6 meses de gestação (tinha 25 centímetros de comprimento).
 
Ainda um garotinho, ia todos os dias à maternidade visitar a irmã na incubadora. Conversava com ela, para animá-la a lutar pela vida.
 
Mais tarde, como a mãe trabalhasse todo o tempo, era ele quem saía para comprar roupinhas para a menina.
 
No domingo, quando soube do incêndio na boate, Fábio pegou um carro emprestado e percorreu sozinho, em 9,5 horas, os 773 km que separam a capital catarinense de Santa Maria.
 
Chorava, rezava para encontrá-la "ferida, mas viva", nem enxergava direito a estrada.
 
Quase chegando, recebeu o telefonema da mãe avisando que o corpo da irmã tinha sido localizado. "Foi como se arrancassem o meu coração."
 
Ao contrário da mãe, ele não perdoa o dono da Kiss: "É muita ganância. Se fosse o filho dele que tivesse perdido a vida assim, o que ia pensar?"
 
Janaína se formou em 2012, no ensino médio, queria ser veterinária. "Ela nunca se cansava. Estava sempre disposta a ajudar os animais, as crianças, quem necessitasse", lembrou uma
amiga no enterro.
 
No sábado, foi visitar a avó. "Vem aqui amanhã", pediu-lhe a velha. "Não sei se vai dar", respondeu a neta, abraçando-a. Antes de sair para trabalhar, a menina limpou toda a casa. Os vizinhos interpretam agora como um sinal. "Ela sabia", diz a amiga.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Criança morre após negligência médica em Axixá

Uma  criança de   1 ano onze meses perdeu a vida na cidade de Axixá, após negligência médica a mãe Valeria Silva se deslocou até o hospital e Maternidade em Axixá nesta segunda-feira (19),   na busca de atendimento médico para seu filho que se chama Dierlison Ryan, a mãe estava desesperada quando chegou no hospital na hora ser atendida o médico de plantão olhou para criança e alegou que a criança estava era só com sono e para mãe não se preocupa, sendo que a criança estava chorando e mãe falou para o médico que seu filho estava sim passado mal mais médico voltou a dizer que era só sono uma omissão de socorro por parte do médico da cidade.
A mãe não foi atendida no hospital onde o profissional da saúde ser quer examinou a criança para ver se tinha algo a mãe acabou voltando para casa sem atendimento médico, com o seu filho quando chegou em sua casa a  criança não resistiu veio a óbito,  morrendo na casa em plena cama da mãe.

A prefeita de Axixá Sônia vem fazendo uma péssima gestão e se q…