Pular para o conteúdo principal

Justiça condena Valério a quatro anos de prisão


 
Empresário foi condenado pela Justiça Federal de Minas; ele omitiu informações à Receita e prestou falsas declarações do IR
 
Minas Gerais - O empresário Marcos Valério, operador do mensalão, foi condenado a mais quatro anos de prisão na Justiça Federal de Minas Gerais. Segundo o Ministério Público Federal, Valério recebeu ainda pena de 120 dias-multa por sonegação fiscal.
 
A denúncia da Procuradoria afirma que o empresário, com a mulher Renilda Santiago, omitiu informações à Receita Federal e prestou falsas declarações de Imposto de Renda em 2001 e 2002.
De acordo com o Ministério Público, os problemas continuaram mesmo com a correção apresentada em 2005, após o escândalo do mensalão. A Procuradoria diz que as retificações apontaram "vultosa sonegação".
 
"Os réus efetivamente reduziram e suprimiram o pagamento de tributo - Imposto de Renda - mediante a omissão de informações e prestação de declarações falsas ao ensejo da apresentação das declarações conjuntas do Imposto de Renda Pessoa Física", afirma a juíza Camila Franco e Silva, da 4ª Vara Federal de Belo Horizonte.

Valério - Utilizando como base a teoria do domínio do fato, a juíza absolveu Renilda. "O contribuinte declarante sempre foi o corréu Marcos Valério Fernandes de Souza, (...) que era quem tinha o domínio da conduta, ou seja, o comando final da ação", afirma Camila Franco.
 
Valério poderá recorrer desta decisão em liberdade. O Ministério Público analisa se vai recorrer da absolvição de Renilda.
 
O advogado de Valério, Marcelo Leonardo, afirmou que ainda não foi notificado oficialmente da decisão. "Quando tivermos conhecimento, vamos recorrer ao Tribunal Regional Federal, porque se trata de uma decisão de primeira instância", afirmou.
 
Ele também comemorou a quarta absolvição de Renilda em processos movidos pela Procuradoria. "O MPF tem feito uma perseguição implacável a Marcos Valério e a sua esposa. A Justiça reconheceu que ela era uma mera dona de casa."
 
Outros casos - No caso do mensalão, julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no ano passado, Valério foi condenado pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, evasão de divisas e gestão fraudulenta.
 
Entre os réus, o empresário foi o que recebeu a maior pena: 40 anos, 4 meses e 6 dias de prisão. Ele também deverá pagar uma multa de R$ 2,8 milhões.
 
Além deste caso, Valério também já recebeu outras duas condenações na Justiça Federal de Minas Gerais. As penas nesses casos chegam a 15 anos e 10 meses de prisão. Ele ainda pode recorrer das decisões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: