Pular para o conteúdo principal

Efeito Dilma: Margusa ecerra atividades e mais de 500 perdem o emprego em Bacabeira

Após 17 anos em operação produzindo ferro-gusa no município de Bacabeira, a Margusa encerrou suas atividades e mais de 500 trabalhadores diretos perderam o emprego. A empresa se junta à Companhia Siderúrgica do Maranhão (Cosima), em Pindaré-Mirim, e Ferro Gusa do Maranhão (Fergumar), em Açailândia, que paralisaram as atividades por causa da crise do setor.

A Margusa, que produzia em torno de 240 mil toneladas por mês, funcionava com dois altos-fornos. Mas a empresa não suportou o agravamento da crise que vem se arrastando desde 2008, sendo obrigada, então, a paralisar suas atividades por causa da falta de mercado para o ferro-gusa, matéria-prima do aço, e também pela baixa no valor do produto.

Segundo o secretário do Sindicato das Indústrias de Ferro Gusa do Estado do Maranhão (Sifema), Cláudio Azevedo, para cada emprego gerado na siderúrgica, cinco são criados em outras áreas da cadeia produtiva – plantio e colheita de eucalipto, produção de carvão, transporte. Ou seja, cerca de 2.500 empregos diretos indiretos foram eliminados.

Ontem, Cláudio Azevedo estava em Açailândia, onde a crise também se agrava. Ainda estão operando, mas com apenas 30% de sua capacidade produtiva, as siderúrgicas Gusa Nordeste, Viena, Pindaré e Guarani (antiga Simasa).

Demissões - De acordo com informações do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Açailândia e Região (Stima), desde janeiro mais de 150 empregados foram demitidos pelas guserias instaladas no município.

“O polo siderúrgico de Açailândia possuia, em 2007, em torno de 6 mil empregados diretos. Com a crise [iniciada em 2008], esse número caiu para 3 mil e hoje tem pouco mais de 2.200 empregados de forma direta”, contabilizou o presidente do Stima, Jarles Adelino.

Ele disse que recebeu notificação da Gusa Nordeste, empresa do grupo Ferroeste, responsável também pela Aciaria em instalação no município, informando que a partir de abril dará férias coletivas a 50% do quadro e empregados da siderúrgica. “Em maio serão dadas férias coletivas aos outros 50%”, assinalou.

Segmentos - Jarles Adelino informou, também, que outros segmentos econômicos estão sendo afetados pela crise no setor guseiro. Ele relatou o caso de uma empresa de montagem industrial que operava com 800 empregados e demitiu mais de 600 desses trabalhadores.

Essa situação de crise que afeta os setores de serviços que operam no entorno do pólo siderúrgico também preocupa a Associação Comercial e Industrial de Açailândia (Acia). “Muitas empresas vivem em torno do polo siderúrgico. Se o mercado não reagir, as guserias vão fechar as portas, causando grandes prejuízos à economia do município”, lamentou o vice-presidente da Acia, Lucimar Cordeiro.

Fechamento de guserias poderá afetar 15 mil

Caso as quatro siderúrgicas que ainda operam em Açailândia encerrem suas atividades, cerca de 15 mil pessoas, entre funcionários diretos e familiares, e empregados de empresas que atuam como fornecedoras de produtos e serviços ao setor, serão afetados.

No mês passado, segundo o Sindicato das Indústrias de Ferro Gusa do Estado do Maranhão

(Sifema), o setor guseiro registrou o maior prejuízo da história:

US$ 4 milhões de perda de receita. O prejuízo foi causado pela baixa do ferro-gusa no mercado, com uma queda de 45% e pela falta de demanda. Atualmente, há 180 mil toneladas de gusa estocadas nos pátios das guseiras.

Diante desse agravamento da crise, o Sifema está buscando o apoio do poder público.

Ao Governo Federal, a entidade solicitou que as siderúrgicas sejam beneficiadas com o reembolso dos valores referentes a custos tributários residuais do PIS e Cofins existentes nas cadeias de produção, assegurados pelo Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra). Como também a disponibilidade de uma linha especial de crédito para que o setor guseiro possa transpor esse momento de dificuldade.

Na esfera maranhense, o Sifema buscou do Governo do Estado a sensibilização para que libere créditos do ICMS aos quais as empresas têm direito por serem exportadoras.



Mais

- Em pleno agravamento da crise do setor guseiro, siderúrgicas e Sindicato dos Metalúrgicos de Açailândia estão em negociação da data-base dos trabalhadores.

- Mas até agora não se chegou a um entendimento entre as partes. Isso porque, o sindicato não aceita congelamento de salário, que teria sido proposto pela Sifema.



Números

500 Trabalhadores perderam o emprego com o fechamento da siderúrgica Margusa, em Bacabeira

240 Mil toneladas por mês era a produção da Siderúrgica Margusa, que encerrou suas atividades

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeita de Rosário fica desesperada com 10 mil pessoas em caminhada e agride Willame Anceles.( Veja os Vídeos)

O gestor da Regional de saúde de Rosário Willame Anceles,  mostra força e Arrasta  uma multidão nesta tarde de quinta-feira 20,  em apoio aos candidatos, o deputado estadual Hélio Soares e o candidato a deputado federal  Josimar de Maranhãozinho. Cerca de   10 mil pessoas participaram da grande caminhada que começou as 17 horas na Praça do Coqueiro e tomou conta das ruas de Rosário.





A população rosariense abraçou os candidatos do ex-vereador Willame Anceles, e a população rosariense  foram em peso para  caminhada, deixando a prefeita de Rosário Irlahi Moares, descontrolada e desesperada, partindo para cima dos moradores  da Cidade Nova, querendo barrar o ônibus que iria para grande  caminhada de Hélio Soares candidato a deputado estadual  e Josimar candidato deputado federal.


A parti triste da tarde foi  a prefeita  Irlahi, que  agrediu o ex-vereador Willame Anceles,  onde rasgou a sua camisa toda  em um ato de fúria descontrolada.  A gestora  desesperada Irlahi, acabou levando  vaias d…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo:


Prefeitura de Rosário serve duas espigas de milho cruas para alunos em escola.

Os pais de alunos da escola municipal Maria da Mercês  Teixeira localizada no bairro Cidade Nova em Rosário, estão revoltados com a prefeita Irlahi Moraes, vários país  entraram em contato com o blog para denunciar que as crianças  da escola municipal  estão lanchando duas espigas  de milho onde muitas crianças ficam com fome.

A revolta do país é tão grande que as espigas de  milho até cruas estão sendo servidas na escola da rede municipal  de Rosário "Isso é uma vergonha uma maldade para com as crianças que estão passando fome na escola, como pode se servir duas espigas de milhos cruas para um criança que precisa  de uma merenda adequada de qualidade isso é uma vergonha um desrespeito" desabafa uma mãe ao blog .

A mãe que denunciou esse desrespeito da prefeita Irlahi mandou um vídeo que está rolando nas redes Sociais de uma outra mãe que está  revoltada para mostrar a veracidade do desrespeito que está acontecendo na escola Municipal Maria Mercês Teixeira.
A merenda tem que se…