Pular para o conteúdo principal

Herança Maldita: Governo Roseana Sarney deixa escolas da Rede Estadual interditadas


Do Jornal Pequeno
Dados levantados pela Secretaria de Estado da Educação mostram que mais de 1.000 escolas da Rede Estadual de Ensino não cumpriam o Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado do Maranhão. Algumas chegaram a ser interditadas no ano passado pelo CREA e Corpo de Bombeiros. Mesmo as que foram parcialmente reformadas, não solucionaram o problema.
Fios soltos, desencapados, gambiarras elétricas, além de instalações elétricas inadequadas que resultaram vários casos de panes elétricas e incêndios. Além é claro da ausência de extintores de incêndio.
Atitude irresponsável do Governo que deveria ter zelado pela integridade dos mais de 300 mil alunos do Ensino Médio e Fundamental e os mais de 20 mil servidores públicos lotados nas escolas.
Descaso – Em 2013, quando o professor Josué Pinheiro Cunha assumiu a direção da Unidade Escolar Dr. Antonio Jorge Dino, no Bairro de Fátima tratou de entregar um relatório pessoalmente na Secretaria de Estado de Educação com os vários problemas estruturais, pedagógicos e administrativos que encontrou.
Entre eles, o Caixa Escolar inoperante e a falta de água, o que segundo ele deixou mais de 300 alunos sem merenda escolar durante todo o primeiro semestre daquele ano letivo.
No ano passado, Josué aflito com as precárias condições da escola que dirigia e mediante o risco de uma tragédia anunciada com um de seus alunos, na faixa de 7 a 15 anos, entregou a SEDUC um novo relatório.
Nele, infelizmente reiterava os mesmo problemas estruturais encontrados, além de outro muito grave: a escola havia sido interditada pelo CREA e pelo Corpo de Bombeiros.
Segundo o Laudo de Vistoria Técnica do Conselho de Engenharia e Agronomia e Conselho de Engenharia e Agronomia do Maranhão de 17 de julho de 2014, a UE Sálvio Dino foi interditada por problemas na cobertura, forros, instalações hidro-sanitárias, esquadrias, caixa d´água, cisterna, piso, drenagem pluvial e muro de fechamento. Além disso, instalações elétricas precárias com fios antigos e expostos e comandos elétricos danificados.
Já o Relatório de Vistoria do Corpo de Bombeiros Militar interditou a escola em 25 de julho de 2014 por falta de condições de segurança para funcionamento. Entre outras coisas, pela ausência de projeto de combate a incêndio e pânico, com base na Lei Estadual n.6.546, de 29 de dezembro de 1995.
Desde então, a combinação entre risco de incêndios e falta de equipamentos de segurança, como extintores e luminárias de emergência viraram uma bomba relógio dentro da escola que em 2014 já tinha mais de 700 alunos matriculados.
Josué relata que no ano passado as panes elétricas foram constantes, inclusive com queima de equipamentos elétricos e eletrônicos.
Infelizmente, a UE Sálvio Dino não está sozinha, já que segundo levantamento recente da SEDUC, pelo menos 91 escolas com condições precárias precisam de intervenções emergenciais, principalmente na parte elétrica.
Na U.I. João Paulo II, no bairro Turu, onde estudam cerca de 800 alunos do Ensino Fundamental e a Unidade Integrada Raimundo N. Ferro do Lago em Bacabal, laudos do Corpo de Bombeiros, também apontaram a interdição do prédio.
Para solucionar esses e outros problemas, uma reforma foi iniciada em junho do ano passado, os alunos transferidos para um prédio alugado e a obra que mesmo inacabada foi entregue pelo governo anterior não contou com um extintor de incêndio sequer.
A UI Barjonas Lobão no Jardim América, enfrentou um incêndio de grandes proporções ano passado por conta de problemas elétricos.
Em 2014, a manutenção das escolas precárias foi realizada apenas em algumas unidades da capital maranhense. Nas demais Unidades Regionais, houve licitação, mas sem contratação.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Criança morre após negligência médica em Axixá

Uma  criança de   1 ano onze meses perdeu a vida na cidade de Axixá, após negligência médica a mãe Valeria Silva se deslocou até o hospital e Maternidade em Axixá nesta segunda-feira (19),   na busca de atendimento médico para seu filho que se chama Dierlison Ryan, a mãe estava desesperada quando chegou no hospital na hora ser atendida o médico de plantão olhou para criança e alegou que a criança estava era só com sono e para mãe não se preocupa, sendo que a criança estava chorando e mãe falou para o médico que seu filho estava sim passado mal mais médico voltou a dizer que era só sono uma omissão de socorro por parte do médico da cidade.
A mãe não foi atendida no hospital onde o profissional da saúde ser quer examinou a criança para ver se tinha algo a mãe acabou voltando para casa sem atendimento médico, com o seu filho quando chegou em sua casa a  criança não resistiu veio a óbito,  morrendo na casa em plena cama da mãe.

A prefeita de Axixá Sônia vem fazendo uma péssima gestão e se q…