Pular para o conteúdo principal

Governo recebe indígenas para saldar dívidas relativas ao transporte escolar de 2013 e 2014

Secretário Márcio Jerry reunidos com lideranças indígenas
O secretário de Estado de Assuntos Políticos e Federativos, Márcio Jerry, recebeu, na tarde desta quinta-feira (2), no Palácio dos Leões, em São Luís, uma comitiva formada por indígenas que reivindicavam pagamentos de convênios atrasados relativos ao transporte escolar dos anos de 2013 e 2014. Na ocasião, o Governo do Estado garantiu que manterá diálogo permanente com a comunidade indígena com o objetivo de reparar os calotes deixados pela gestão passada.
A cacique Libiana Pompeu dos Santos, da aldeia Mainumy, de Barra do Corda, explicou que os índios reivindicam os pagamentos relativos ao transporte escolar, além de melhorias na infraestrutura das escolas. Segundo a cacique, vários convênios referentes aos anos de 2013 e 2014 estão atrasados, e a falta desses recursos tem dificultado a continuidade das atividades.

Além de Barra do Corda, representantes de comunidades indígenas de Jenipapo dos Vieiras, Grajaú, Arame e Amarante participaram da reunião com o Governo. Para Libiana, a garantia do pagamento dos convênios e da melhoria na infraestrutura das escolas demonstra o comprometimento do Governo. “Eu tenho certeza que o governo Flávio Dino veio para mudar, e já temos o efeito dessa mudança. A gente espera muito que o Governo olhe para a gente com carinho”, ressaltou a cacique.
Márcio Jerry destacou que o Governo tem mantido diálogo com as comunidades indígenas com o objetivo de reparar, na medida do que é legalmente possível, os calotes deixados pela gestão anterior. “O Governo está preparando um conjunto de ações nas áreas da saúde, educação, produção, entre outras, no sentido de melhorar a qualidade de vida da população indígena”, enfatizou o secretário.
O governo Flávio Dino estabeleceu, desde o início da gestão, um canal de diálogo permanente com os povos indígenas do Maranhão para solucionar os problemas deixados pelo governo anterior. Para atendimento às demandas das comunidades indígenas constituiu, no âmbito do Estado, uma ampla comissão envolvendo os setores de Educação, Saúde, Direitos Humanos, Infraestrutura, Igualdade Racial, Agricultura e demais órgãos da administração estadual.

Dívidas de 2013 e 2014

Nesta semana a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) reuniu com as lideranças indígenas e apresentou o cronograma de pagamentos definido pelo Governo do Estado, para sanar as dívidas herdadas da administração anterior, referentes ao transporte escolar de 2013 e 2014.
Nesta quarta-feira (1), foram antecipados os pagamentos, correspondentes a 2013, que estão sendo realizados por indenização, após parecer favorável da Procuradoria Geral do Estado. O Governo também iniciou pagamento das parcelas pendentes de convênios celebrados em 2014, cuja dívida deixada pelo governo passado chega a mais de R$ 7,5 milhões.
Para 2015, o governador Flávio Dino, instituiu um decreto que disciplina e regulamenta o repasse de recursos aos Caixas Escolares para manutenção do Transporte Escolar Indígena dos alunos da rede pública estadual, a fim de melhorar o serviço. Além disso, instituiu uma equipe específica para tratar do transporte em cada Unidade Regional e nas escolas que realizarão a gestão dos recursos específicos, a fim de orientar, acompanhar e fiscalizar os serviços, para evitar irregularidades.
No mês passado, a Secretaria de Educação realizou, na Regional de Educação de Barra do Corda, encontro formativo sobre o Transporte e Alimentação Escolar Indígena, com a finalidade de discutir políticas públicas para assegurar a melhoria da educação indígena no Maranhão. Na oportunidade foram explanadas ações para garantir que estudantes das escolas indígenas, que utilizam o transporte escolar, sejam transportados com segurança, e tenham acesso a uma alimentação escolar de qualidade.
Por diversas vezes, o governo do estado reuniu com representações indígenas, ouviu as lideranças, encaminhou soluções adotando todas as medidas para resolver os problemas das escolas e continua aberto ao diálogo.
Atendendo reivindicações dos povos indígenas, a Seduc realizou, no mês de maio, na Região de Grajaú, um levantamento nas aldeias onde há solicitações para criação de escolas e novas turmas e, também, averiguar a situação de 21 escolas paralisadas em gestões anteriores, conforme o Censo Escolar 2014.

Infraestrutura
Entre os avanços já concretizados na educação, a partir do diálogo com os povos indígenas estão, a reestruturação da rede física, com entrega de três escolas que foram reformadas e ampliadas, nas comunidades indígenas das aldeias Rio Corda (Escola Indígena Manoel Assis Cruz – Tuxauhu) e Patizal (E.I Juliana Rodrigues Guajajara), ambas na Regional de Barra do Corda; e a escola El Pyr Creh Creht, na Aldeia Riachinho, em Amarante, onde também foi inaugurada, na aldeia Água Viva, a escola Crow Cu.
Na URE de Barra do Corda, três escolas indígenas foram reformadas. Também foram reformadas e entregues aos povos indígenas, na Regional de Barra do Corda, a escola Betel, localizada Aldeia Baixão do Peixe; as escolas indígenas São Benedito (Aldeia Pedrinhas) e Bom Paraíso (Aldeia Paraíso).
Além disso, dentro do Programa ‘Escola Digna’, Macropolítica de Educação do governo Flávio Dino, serão construídas novas escolas em áreas indígenas, cujas obras devem ser iniciadas ainda este ano. O Governo do Estado também já publicou no Diário Oficial, do dia 15 de maio, o decreto que regulamenta e implanta 289 Escolas Indígenas, que não eram legalmente criadas e reconhecidas.

Formação
 Na área pedagógica, foi firmado um convênio com Universidade Estadual do Maranhão (Uema), para oferta do curso de Licenciatura Intercultural Bilíngue para os professores indígenas. Ainda nesta área, a Seduc garante, atualmente, apoio à formação superior de 62 professores indígenas na Universidade Federal do Estado de Goiás e outros 13 professores indígenas participam da Rede de Formadores, criada pela atual gestão para garantir a formação de professores do sistema estadual de ensino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Criança morre após negligência médica em Axixá

Uma  criança de   1 ano onze meses perdeu a vida na cidade de Axixá, após negligência médica a mãe Valeria Silva se deslocou até o hospital e Maternidade em Axixá nesta segunda-feira (19),   na busca de atendimento médico para seu filho que se chama Dierlison Ryan, a mãe estava desesperada quando chegou no hospital na hora ser atendida o médico de plantão olhou para criança e alegou que a criança estava era só com sono e para mãe não se preocupa, sendo que a criança estava chorando e mãe falou para o médico que seu filho estava sim passado mal mais médico voltou a dizer que era só sono uma omissão de socorro por parte do médico da cidade.
A mãe não foi atendida no hospital onde o profissional da saúde ser quer examinou a criança para ver se tinha algo a mãe acabou voltando para casa sem atendimento médico, com o seu filho quando chegou em sua casa a  criança não resistiu veio a óbito,  morrendo na casa em plena cama da mãe.

A prefeita de Axixá Sônia vem fazendo uma péssima gestão e se q…