Pular para o conteúdo principal

Contrato do governo do Maranhão para aluguel de aeronaves será 87% maior do que no anterior

Governador Flávio Dino vai gastar mais com aviões do que foi gasto na gestão de Roseana Sarney
O Governo do Maranhão pagará em 2015 à empresa Heringer Táxi Aéreo Ltda - empresa especializada em aluguel de aeronaves que venceu licitação no estado -, 87% a mais do que o que era pago pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), em 2014, por serviço semelhante.
Levantamento de O Estado aponta que, no ano passado, em virtude de um contrato assinado pela Saúde em 2011, a hora-voo paga pelo aluguel de uma "aeronave asa fixa, bimotora, turbo-hélice", custava R$ 6,3 mil.
O novo contrato, oriundo de uma Adesão a Ata do Estado do Tocantins, prevê o pagamento de R$ 11,7 mil por hora voada, de uma aeronave com especificações semelhantes.
Na comparação com o valor gasto pelo Governo do Tocantins - do qual a ata fora aderida -, o Maranhão também pagará mais caro. Nesse caso, a diferença é de 59%.
A hora-voo cobrada pela Heringer Táxi Aéreo ao estado vizinho pelo aluguel de um bimotor turbo-hélice era de R$ 7.390,00. No Maranhão, a mesma empresa conseguiu um contrato para o fornecimento de avião semelhante cobrando R$ 11.750,00. São

R$ 4.360,00 a mais em cada hora voada por membros do governo Flávio Dino (PCdoB).
Uso - De acordo com o Governo do Estado, as aeronaves serão usadas para deslocamento do governador, do vice-governador Carlos Brandão (PSDB), "bem como das demais autoridades do Executivo Estadual no exercício de suas atividades que envolvem uma agenda intensa e diversificada de compromissos".
Uma das justificativas para o gasto é a extensão territorial do Maranhão e do Brasil - para alugar o jatinho, o Executivo exige que ele tenha autonomia para voo direto no trecho São Luís/São Paulo, por exemplo.
"Considerando a extensão territorial do nosso país onde apenas 40 [quarenta] Municípios brasileiros são atendidos pela Aviação Comercial regular e ainda a extensão do nosso Estado com 217 [duzentos e dezessete] Municípios torna-se necessária a contratação de meio de transporte imediato, ágil e seguro", diz o edital.
O Estado solicitou do Executivo explicações sobre as diferenças nos valores, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição. Instada a se manifestar sobre o assunto, a Heringer Táxi Aéreo também não apresentou posicionamento oficial.


No Tocantins, contrato foi cancelado

A Heringer Táxi Aéreo Ltda., recentemente contratada pelo Governo do Maranhão para prestar serviço de aluguel de jatos e bimotores a serem usados por autoridades do Executivo, teve contrato semelhante com o Governo do Tocantins rescindido unilateralmente.
No estado vizinho, o valor global do contrato era de R$ 22,1 milhões, pelo aluguel de dois bimotores turbo-hélice e três bimotores convencionais.

Além da rescisão, o Governo do Tocantins instaurou Sindicância Administrativa para apurar os motivos pelos quais a empresa não cumpriu obrigações contratuais, firmadas com a Secretaria de Saúde do Estado Tocantins. O caso está em fase de investigação, o que, em tese, deveria ser observado pelo governo do Maranhão.
Procurada por O Estado desde o início da semana - e novamente na sexta-feira, 21 -, a Heringer não se manifestou sobre o assunto.


Contrato não foi reduzido pela metade, como pregou o governo

Marcelo Tavares chegou a declarar que o valor apresentado não seria usado

No mês de junho, quando O Estado revelou que o governo Flávio Dino (PCdoB) praticamente dobraria o valor do contrato para aluguel de aeronaves - foram R$ 7,4 milhões por um ano, em 2014, contra R$ 13,9 milhões da estimativa de 2015 - o secretário -chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), criticou o método utilizado na reportagem e anunciou que, após a licitação, o valor do contrato deveria cair pela metade após realizada a concorrência pública.

"Esse valor de R$ 13,9 milhões não será o valor contratado. Ele certamente cairá para um pouco mais da metade, ficando no patamar que foi apresentado na gestão passada", reagiu.
Não foi o que ocorreu. O extrato do contrato entre o Governo do Estado e a Heringer Táxi Aéreo, publicado no Diário Oficial do Estado, indica o valor global de R$ 5,6 milhões, para um período de seis meses. Nesse caso, em um ano a despesa projetada seria de R$ 11,2 milhões.
Além disso, o valor global da Ata de Preços corresponde a 97% do valor estimado no Edital do Pregão Nº 008/2015. No caso da aeronave turbo-hélice, o valor estimado era R$ 11.860,00 por hora-voo e o valor homologado foi de R$ 11.750, voo (0,9% de economia). Já no caso do jatinho, o valor estimado era R$ 30,93 por quilômetro voado, contra R$ 29,50 da homologação (economia de 4,6%).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: