Pular para o conteúdo principal

Prefeitura de São Luís, ainda não foi notificada da decisão judicial que manda recuperar feiras

Feira do João Paulo com legumes estragados pelo corredor e pelo chão. 

Boxes com a estrutura comprometida, telhado com infiltrações, piso sujo, cães e gatos circulando livremente pela área e urubus disputando comida nas calçadas. Pode não parecer, mas esse é o cenário de algumas feiras de São Luís. O problema já poderia ter sido resolvido com uma ampla reforma nos estabelecimentos, feita pela Prefeitura, mas, sem iniciativa, ela foi condenada pela Justiça a reformar 27 feiras da capital. A decisão foi divulgada há duas semanas, porém ontem o Município informou que ainda não foi notificado sobre a referida decisão judicial, mas que tem realizado reformas e reparos em feiras e mercados da capital.
Com mais de 30 anos de funcionamento, a feira do João Paulo foi reformada ainda na gestão municipal de Jackson Lago, segundo o vice-presidente da Associação dos Feirantes do João Paulo, João de Lima Filho, que também é feirante e há 30 anos revende pescado no local. "Aqui temos problemas na estrutura física, nos banheiros, na parte de limpeza", afirmou.
Problemas - A feira do João Paulo, na realidade, é composta de três mercados: o principal, que é coberto, a feira da madrugada, que vende frutas e verduras principalmente nas primeiras horas do dia, e um centro comercial, localizado ao lado da feira, que é alugado para feirantes. As duas primeiras têm graves problemas estruturais, alvo de reclamação há anos por quem frequenta o local. "Isso aqui é uma vergonha. Não dá para andar. O lixo está por todo lado", afirmou a dona de casa Silvia Arruda. Na parte coberta, por exemplo, há muitos boxes abandonados, outros estão com o reboco aparente, em alguns a cobertura metálica está enferrujada.
O problema se estende para a Avenida São Marçal, onde os feirantes ocupam a calçada e impedem o acesso de pedestres, que se aventuram no meio da rua. Ônibus e demais veículos chegam a raspar nas pessoas e algumas até mesmo encostam-se nos automotivos. Nas calçadas, lixo acumulado e mau cheiro. "Esses são problemas comuns a todos os mercados de São Luís, na verdade", disse João de Lima Filho.
Justiça - No dia 11 deste mês, a Justiça deu prazo de 60 dias para que a Prefeitura de São Luís apresente um programa de reforma de 27 feiras existentes na capital maranhense e estabeleceu multa diária de R$ 15 mil em caso de descumprimento. A decisão é da juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública, Luzia Madeiro Neponucena, e atende a uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual (MP), na qual foram constatadas diversas irregularidades nesses ambientes que põem em risco a segurança das pessoas que trabalham e frequentam esses ambientes. A sentença, inicialmente proferida em junho de 2012, é resultado de Ação Civil Pública (ACP) ajuizada em 2001 pelo Ministério Público.
Por meio de nota, a Procuradoria Geral do Município (PGM) informou que ainda não foi notificada sobre a referida decisão judicial. A Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa) informou que tem realizado reformas e reparos em feiras e mercados da capital, como os trabalhos que estão sendo realizados na Feira da Liberdade, mudando a instalação de rede elétrica, pintura na parte interna e externa, e higienização duas vezes por mês. Ainda segundo a nota, também está sendo mudado o piso, encanação, e pintura da feira do Coroadinho, além de já existir um projeto para duas grandes reformas do Mercado Central e da Feir

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: