Pular para o conteúdo principal

"Mentira ou desvio de recursos"?, questiona deputado Wellington do Curso sobre ponte Pai Inácio

Deputado Estadual Wellington do Curso
O deputado estadual Wellington do Curso (PPS) ocupou a tribuna, na manhã desta quarta-feira (2), para rebater as declarações feitas pelo deputado Othelino Neto (PC do B) em defesa do prefeito de São Luís Holanda Júnior (PDT), sobre a construção da Ponte Pai Inácio. Ao se pronunciar, o parlamentar enfatizou o motivo que o levou a questionar e solicitar informações quanto à aplicação dos recursos destinados à drenagem - canalização e retificação do canal do Rio Gangan, bem como a construção da Ponte Pai Inácio.
Partindo do princípio de que o acesso à informação é direito de todo cidadão, Wellington destacou que a população de São Luís está à espera da apresentação de documentos que confirmem como os recursos públicos foram gastos, a fim de retirar quaisquer dúvidas sobre a aplicação do dinheiro. Para o deputado, diante da declaração feita pelo prefeito, há quase dois anos, de que iria iniciar a construção da Ponte, o gestor municipal deveria esclarecer se falseou a verdade ou se houve desvio de finalidade da verba.
“Desde a semana passada tenho solicitado informações sobre esta obra. Em momento algum eu disse que o prefeito de São Luís era improbo. Apenas solicitei informações, o que é um direito. Mais uma vez, trago à Assembleia a dúvida quanto a aplicação dos recursos destinados pelo Governo Federal. Primeiro, disseram que a construção da ponte não estava contemplada nos quase 8 milhões destinados à drenagem-canalização e retificação do canal do Rio Gangan; depois, que sequer havia recurso e, agora, nos deparamos com a obra sendo construída. Já que a obra está sendo construída, onde está a transparência e informações referentes ao valor da obra, processo licitatório, empresa contratada, empenho e prazos? Se, inicialmente, não havia recurso, de onde veio, subitamente, tal verba? Se a princípio a construção da obra não estava inclusa, por que que agora está sendo construída? Em qual dessas ‘afirmativas’ o cidadão deve acreditar? ”, questionou o parlamentar.
Wellington ainda complementou os questionamentos afirmando que é a favor da construção da ponte que beneficiará diretamente a população dos bairros Parque Vitória e Turu", destacou.
Na oportunidade, o deputado também enfatizou que as solicitações sobre os esclarecimentos representam questionamentos dos ludovicenses que esperam as informações que lhes são de direito.
"Os fatos, infelizmente, convergem para a ideia de que se o prefeito não desviou o recurso quando disse que não existia, ele mentiu ao afirmar que iria realizar a construção da ponte Pai Inácio. Hoje, a única certeza que temos é que no dia 14 de outubro de 2013, o atual gestor de São Luís divulgou o lançamento da construção e, agora, pela segunda vez, no dia 24 de agosto de 2015, divulga tal lançamento. Mais uma vez, ressalto não uma solicitação minha, mas a representatividade dos ludovicenses que estão à espera de uma informação e que não querem acreditar no fato de que a Gestão Municipal desviou a finalidade dos recursos ou mentiu sobre a construção da ponte”, concluiu.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: