Pular para o conteúdo principal

UEB do bairro do Bequimão suspende aulas por falta de segurança

Escola com o portão fechado por falta de segurança
A Unidade de Educação Básica (UEB) Jornalista Neiva Moreira, localizada no Bequimão, em São Luís, permaneceu de portas fechadas ontem por causa da falta de vigilantes nas dependências da escola. De acordo com alguns funcionários da instituição, a decisão partiu de pais de alunos e professores, temerosos pela segurança no local.
Bem diferente dos dias de funcionamento normal, em que há um intenso movimento de crianças correndo no pátio da escola, o cenário na unidade de ensino ontem era deserto. Os portões trancados e apenas alguns funcionários dentro do prédio. Isso, porque as aulas foram suspensas e os alunos tiveram de voltar para casa ontem. De acordo com essas pessoas, as aulas só retornarão na quinta-feira, dia 12.
A falta de vigilantes nas dependências da UEB não é novidade. No dia 17 de setembro, O Estado noticiou a ausência desses profissionais em diversas escolas municipais. Uma delas foi a Jornalista Neiva Moreira.
Na ocasião, pais comentaram o temor pelas escolas ficarem desassistidas. Nessa UEB, os portões ficavam abertos e as crianças podiam sair sem nenhum controle visual de um adulto no fim do turno matutino. Da mesma maneira, qualquer pessoa podia ter acesso ao prédio. Agora, pais e professores tentam conseguir vigilância para a instituição.
Cobrança - Segundo a presidente do Sindicato dos Profissionais do Magistério do Ensino Público Municipal de São Luís, Elisabeth Castelo Branco, a falta de vigilantes é um problema que pode ser encontrado em grande parte das escolas da rede municipal. Um levantamento mostra que das 281 escolas, apenas 73 ainda têm vigilantes em suas dependências.
Cobranças já foram feitas à Secretaria Municipal de Educação (Semed), mas nenhum retorno concreto foi obtido. “Encaminhamos um ofício para a Semed, logo após a reunião com a Promotoria da Educação, e nunca nos responderam. O nosso interesse é de que todas as escolas tenham vigilantes, não só 73. O secretário nos informou que até o dia 19 de novembro tudo seria regularizado. Mas para a gente isso não resolve, a segurança é urgente”, afirmou a presidente do Sindeducação.
Ainda em setembro, a 1ª e a 2ª Promotorias de Justiça de Defesa da Educação de São Luís ajuizaram uma Ação Civil Pública (ACP) de obrigação de fazer contra o Município de São Luís e a Secretaria de Estado da Segurança Pública, solicitando, como medida liminar, a manutenção dos serviços de vigilância adequados à segurança da comunidade escolar e do patrimônio público. Formularam a manifestação ministerial os promotores de Justiça Paulo Silvestre Avelar Silva e Maria Luciane Lisboa Belo.
No processo, os autores destacam que no período de 17 a 21 de setembro de 2015 escolas localizadas nos bairros Santa Clara, Gancharia, Divinéia, Bequimão, Maranhão Novo e Coroadinho foram alvo de vandalismo, com depredação, incêndios, invasões e roubos. Ainda na ação, o Ministério Público atestou que as práticas ilícitas ocorreram por causa da ausência de profissionais vigilantes nas escolas.
Procurada por O Estado, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou, em nota, que está em processo de reimplantação gradual do serviço de vigilância nas escolas e que a Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Neiva Moreira receberá o referido serviço. A Semed frisou ainda que, enquanto isso, tem reforçado as parcerias já existentes com a Polícia Militar e a Guarda Municipal, instituições parcerias no combate à violência dentro das escolas.
DEMISSÕES

A falta de segurança nas escolas se deu pela demissão de 400 vigilantes que faziam a segurança das unidades de ensino. Eles trabalhavam pela empresa Servi-San, empresa terceirizada. Em fevereiro deste ano, o contrato com a prestadora de serviços encerrou-se. De acordo com Sílvio Carvalho, do Sindicato dos Vigilantes do Maranhão, informaram que estavam contratando uma nova empresa, há algumas semanas. “Fazem outras coisas e não fazem uma licitação para contratar uma empresa de segurança”, disse.

OEstado 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Criança morre após negligência médica em Axixá

Uma  criança de   1 ano onze meses perdeu a vida na cidade de Axixá, após negligência médica a mãe Valeria Silva se deslocou até o hospital e Maternidade em Axixá nesta segunda-feira (19),   na busca de atendimento médico para seu filho que se chama Dierlison Ryan, a mãe estava desesperada quando chegou no hospital na hora ser atendida o médico de plantão olhou para criança e alegou que a criança estava era só com sono e para mãe não se preocupa, sendo que a criança estava chorando e mãe falou para o médico que seu filho estava sim passado mal mais médico voltou a dizer que era só sono uma omissão de socorro por parte do médico da cidade.
A mãe não foi atendida no hospital onde o profissional da saúde ser quer examinou a criança para ver se tinha algo a mãe acabou voltando para casa sem atendimento médico, com o seu filho quando chegou em sua casa a  criança não resistiu veio a óbito,  morrendo na casa em plena cama da mãe.

A prefeita de Axixá Sônia vem fazendo uma péssima gestão e se q…