Pular para o conteúdo principal

Em São Luís moradores da Cidade Operária cobram de Edivaldo destino dos R$ 24 milhões da Obra da Maternidade Rivanda Braga.

Prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Jr, permanece calado sobre a obra de milhões parada e não dar uma explicação para a população ludovicense
Uma comissão de moradores da Cidade Operária vai se reunir com a Superintendência da Caixa Econômica/SL,  nesta segunda – feira (17), para saber onde foram parar os R$ 24 milhões entregues à Prefeitura de São Luís pelo Governo Federal, destinados à construção de uma Maternidade naquele populoso bairro.

Segundo os comunitários, a unidade hospitalar receberia o nome de ‘Maternidade Rivanda Braga’, em homenagem à falecida mãe do Prefeito Edivaldo Holanda Junior. O nome foi escolhido pelos próprios moradores como forma de agradecimento ao chefe do Executivo municipal.
A obra da maternidade continua parada


Iniciada em 2014, a obra ficou parada há algum tempo, inclusive a Semus até já rescindiu o contrato com empresa responsável pela obra, e não se sabe quando haverá nova Licitação. 

O prazo para o termino da obra finda em junho de 2018. Até o momento foram erguidas apenas algumas colunas de concreto. Ela seria também a primeira Maternidade construída pela Pefeitura  Municipal de São Luís.
A secretária  municipal de saúde Helena Dualib ainda não se pronunciou sobre o caso

  

Em janeiro último, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) comunicou  a rescisão contratual com a empresa responsável.

A obra da maternidade é fruto de uma parceria com o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde. Mas as máquinas e nem os operários são vistos no local há muito tempo.

As placas com informações técnicas  permanecem fixadas no local, mostrando que a obra está orçada em R$ 24.807.123,41. O terreno possui um total de 14 mil m² de área. Já a área construída terá 6 mil m², 120 leitos, destes, 100 leitos de internação e 20 de UTIs, 10 neonatais e 10 infantis.

Revoltada com o descaso, a comunidade da Cidade Operária se reuniu e criou uma comissão  que  visitará  a Superintendência da  Caixa Econômica, em São Luís, nesta segunda – feira para saber onde foram parar  os R$ 24 milhões destinados à construção da tal Maternidade.  
 

Valores

No Portal da Transparência, o Governo Federal informa que já foram repassados ais de R$ 3.386.400,00 para a construção da Maternidade. A última liberação foi em 21 de dezembro do ano passado, no valor de R$ 242.400,00.

Valor da obra: R$ 24.807.123,41, custo total da construção da maternidade

Valor do convênio com o governo federal: 24.000.000,00

Valor da contrapartida da prefeitura: 1.000.000,00

Valor já Liberado: 3.386.400,00

Início da Vigência: 27/12/2013

Fim da Vigência: 31/08/2018

Data Última Liberação de verbas: 21/12/2016

Valor Última Liberação: 242.400,00

Por Mauro Garcia 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: