Pular para o conteúdo principal

Empresário com dois contratos no governo do MA confessa corrupção

Francisco Antelius Sérvulo Vaz, dono da Epeng-Empresa Projetos de Engenharia LTDA, que ficou preso durante 39 dias em Palmas, no Tocantins, por participar de esquemas de desvio de dinheiro de obras de rodovias, confessou pelo menos três falcatruas já no primeiro depoimento, um dia depois de ter sido recolhido à carceragem da Polícia Federal. A possibilidade de Antelius Sérvulo vir a fazer delação premiada tem deixado políticos preocupados.
A Epeng é maranhense, de Codó, e no segundo semestre do ano passado, quando já estava sob investigação pela Polícia Federal, ganhou duas licitações do Governo do Maranhão. Uma para fazer a ponte sobre o Rio Pericumã, na MA-211, entre Bequimão e Central do Maranhão, e a rodovia que vai de Buriti Bravo ao povoado de Café Buriti. Os dois contratos somam quase R$ 100 milhões – R$ 68,3 milhões da ponte e 29,7 milhões da rodovia.
No Tocantins, a Epeng ganhou, em 2014, o contrato para realizar terraplenagem e asfalto na BR-010, de Ananás a Araguatins, com 81km de extensão, valor inicial de R$ 70.782.278,82, mais tarde aditivado para R$ 89.006.631,18. Antelius chegou a receber mais de R$ 35 milhões. A obra começou no governo de Siqueira Campos, passou pelo governo de Sandoval Cardoso (que ficou nove meses no cargo, em substituição a Campos) e foi suspensa no começo do atual governo, de Marcelo Miranda.
Apesar da obra não ter ido além de 30% do que deveria ter sido feito, as medições já autorizavam pagamentos de mais de R$ 70 milhões. Auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) constatou que dos mais de R$ 35 milhões pagos, pelo menos R$ 9.507.994,34 se referem a “serviços não executados”. Antelius teria retornado grande parte desse dinheiro para políticos de pelo menos dois estados, no auge da campanha eleitoral de 2014. A lavagem de valores consideráveis era feita via postos de combustíveis, uma distribuidora de roupas e uma revenda de carros com sedes no Tocantins e no Maranhão.
Confissão
Preso no dia 13 de outubro de 2016, na Operação Ápia, da Polícia Federal, Francisco Antelius confessou que repassou R$ 120 mil para Estemir de Sousa Pereira, chefe dos fiscais responsáveis pelas medições e que atestavam serviços a mais para forçar a liberação maiores de recursos pelo Banco do Brasil. Antelius confessou também ter contratado aluguel de máquinas pesadas de Pedro Olímpio Pereira Furtado Neto, engenheiro do Estado responsável pela execução do contrato, e que tinha consciência da existência de laudos falsos exigindo a aplicação de “colchões drenantes de brita” só para forçar um aditivo de quase 25% sobre o valor inicial da obra.

Antelius foi solto no dia 21 de novembro, um mês e oito dias depois de ter sido preso. Ele aguarda em liberdade a conclusão das investigações e do julgamento. Existe a possibilidade de uma delação premiada e a revelação dos nomes dos políticos que receberam dinheiro nas campanhas de 2014.
Maranhão
A descoberta das falcatruas praticadas no estado do Tocantins e a notícia da prisão do seu proprietário, Francisco Antelius Sérvulo Vaz, não alteraram em nada os negócios entre a construtora e o Governo do Maranhão. Desde a prisão de Antelius, já foram depositados nas contas da Enpeg mais de R$ 11 milhões pelo que se via, ontem, no Portal da Transparência. No dia 29 de novembro no ano passado, quando foram pagos R$ 1 milhão, Sérvulo estava na cadeia da PF em Tocantins.
Já no dia 29 de abril deste ano, a Justiça Federal decretou o bloqueio de bens do patrimônio pessoal do empresário, até o valor de R$ 16.763.127,21; bloqueio no mesmo valor no patrimônio da mulher dele, Márica Karla Oliveira Borges Vaz, e outros quase R$ 17 milhões do filho deles, Mário Diego Borges Vaz. O bloqueio total contra o patrimônio dos donos da Enpeg ultrapassa a metade do valor dos contratos de R$ 100 milhões em vigor com o Governo do Maranhão.

Por Gilberto Léda

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Rosário pura maldade: Empresária é perseguida pela prefeita Irlahi

A prefeita de Rosário Irlahi  Moraes, está perseguindo a empresária Lidiane Oliveira, onde a prefeita mandou construir um muro simplesmente para os frequentadores do seu estabelecimento que fica localizado na praça em frente a prefeitura que pertence a prefeita Irlahi, não frequente o estabelecimento da empresária fechando a passagem  do estabelecimento para ninguém passar  onde a empresária  vende sorvete em frente  a praça um desrespeito para o próximo que trabalha justo.

A empresária rosariense que vende sorvete está trabalhando honestamente e justamente para sustentar sua família e a prefeita ditadora Irlahi, além de não proporcionar geração de emprego e renda na cidade  através do concurso público, fica perseguindo as pessoas onde dona do empreendimento já acionou a prefeita Irlahi, na justiça onde a prefeita  se valoriza de bem público que é da população para realiza ganhos próprios. 
A praça da prefeitura de Rosário foi construída com emenda federal de 500 mil reais onde esse val…

TRAGÉDIA: Funcionário Rosariense terceirizado da Cemar morre eletrocutado em poste na cidade de Axixá.

Tragédia marca o começo do final de semana de setembro na cidade de Axixá. Onde foi registrado um acidente fatal de trabalho, no povoado Ruy Vaz, que aconteceu por volta das 16h00min, na sexta-feira (1º) com um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço para Cemar na cidade de Rosário, que resultou na morte de um jovem identificado como José Anderson. O acidente de trabalho interrompeu os sonhos do jovem que era morador da cidade de Rosário. Segundo informações, o funcionário realizava um trabalho em uma rede baixa tensão, quando por motivos ainda desconhecidos recebeu uma descarga elétrica, ainda no poste que executava o serviço. José Anderson, era funcionário da empresa terceirizada há apenas uma semana. O gestor regional da Cemar, Demerson, que atende a região do Munim e lençóis maranhense, falou a imprensa localque os procedimentos foram feitos após o acidente. Sendorealizado a descida da vítima, depois o corpo foi encaminhado em uma ambulância para o hospital do mun…

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo: