Pular para o conteúdo principal

Governo Flávio Dino paga R$ 90 mil por mês por hospital fechado em São Luís

Clínica continua em obra após um ano de contrato 
O governo Flávio Dino (PCdoB) paga, desde agosto de 2016, R$ 90 mil por mês pelo aluguel de um prédio onde deveria funcionar uma clínica materno-infantil, no bairro do Jardim Eldorado, em São Luís. A Clínica Materno-Infantil Eldorado está fechada desde então. Neste período, os cofres públicos já bancaram, fora o aluguel, outros R$ 903.165,56 com reformas. O curioso é que no próprio Extrato do contrato, publicado no Diário Oficial do Estado em 9 de agosto de 2016, constam como se todas as acomodações estivessem prontas e os equipamentos instalados.

O contrato 125.940/2016/SES foi assinado pela Secretaria de Saúde e pela direção da Clínica Materno-Infantil em 2 de agosto de 2016. O contrato tem vigência de 12 meses, prorrogáveis por igual período, até o limite de 60 meses, “incluindo equipamentos e mobiliários”.
Pelo documento, a clínica dispõe de 60 leitos de enfermaria e UTI, 18 dos quais com quatro salas de centro cirúrgico; 10 consultórios médicos equipados para acompanhamento ambulatorial; instalações administrativas; duas recepções; um laboratório, cinco salas de exame; um banco de sangue; 12 leitos com banheiros separados, com canalização de oxigênio e sala de reanimação neonatal; três leitos de recuperação pós-anestésico e estacionamento.
Extrato do contrato do governo

Mesmo com todo esse inventário, o governo comunista decidiu, mesmo assim, realizar reforma da clínica, com prazo que deveria ser de 90 dias, conforme placa no local. Calculando-se os R$ 1.080.000,00 pagos pelos 12 meses de aluguel, mais os R$ 903.165,56 de reforma, o governo já gastou em um ano nada menos que R$ 1.983.165,56 por um prédio que não serviu para nenhum tipo de atendimento no setor de saúde.
A deputada estadual Andrea Murad (PMDB) denunciou na sexta-feira, 11, em suas redes sociais, que Flávio Dino quer transformar a clínica em um hospital de referência em traumas ortopédicos.
“O problema é que a clínica alugada, nunca terá condições para ser uma unidade de referência para os casos de alta complexidade porque não dispõe de estrutura física, infraestrutura, número de leitos, equipamentos como ressonância magnética, tomografia computadorizada e outros necessários ao atendimento exigido nessa área”, ponderou a parlamentar.
A deputada vai fazer denúncia formal para que a Assembleia Legislativa e o Ministério Público investiguem este contrato.
“É necessário que se investigue o real motivo dessa decisão do governador, de alugar por R$ 90 mil mensais, e já ter gasto, num prédio particular, quase R$ 1 milhão na reforma, sem que nesse local se possa, sequer, instalar o tal Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão, como o nome mesmo diz”, frisou.
Em campanha, Dino questionou prática de aluguel
Durante a campanha eleitoral de 2014, o governador Flávio Dino fez um escândalo, com repercussão até nacional, por causa do aluguel de um prédio, no governo anterior, ao custo de R$ 3 mil mensais, onde funcionava um ambulatório para tratamento de câncer. O comunista usou o fato durante a campanha porque o prédio pertencia ao suplente de senador Edinho Lobão (PMDB).
Quando assumiu o governo, em 2015, Dino resolveu pagar por prédios de pessoas ligadas ao seu partido, o PCdoB. O primeiro escândalo veio à tona no início de 2017. Descobriu-se que o governo comunista pagou durante quase dois anos por um prédio pertencente a um comunista e que serviu de comitê de campanha para o PCdoB.
Após o escândalo, Dino admitiu rever o contrato de aluguel com o camarada comunista e devolver o prédio em dezembro deste ano.
O novo escândalo, envolvendo a Clínica Eldorado, também tem os mesmos sintomas do caso anterior, da casa do comunista, no Turu.
A diferença entre os casos do governo anterior e do atual é que, em 2014, o prédio questionado por Dino, de fato abrigava um ambulatório em pleno funcionamento. Os dois prédios pagos pelo comunista, permaneceram fechados, mesmo recebendo aluguel.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo:


Três pessoas são presas durante megaoperação contra pedofilia em Rosário, São Luís e Paço do Lumiar

A Polícia Civil do Maranhão deflagrou na manhã desta sexta-feira (20), a operação ‘Luz na Infância’ que tem como objetivo apurar crimes de exploração sexual e pedofilia contra crianças e adolescentes. Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de São Luís, Rosário e Paço do Lumiar. Três pessoas foram presas. Os alvos da operação foram identificados por meio de um levantamento de informações da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Com base nas informações e evidências coletadas em ambientes virtuais, foi instaurado um inquérito policial que resultou nos mandados de busca e apreensão emitidos pelo Poder Judiciário. A operação visa apreender computadores e dispositivos onde estão armazenados conteúdos de pedofilia infantil. As investigações estão sendo realizadas há seis meses e a ação envolve 1.100 policiais. Em São Luís, no bairro Santa Cruz, foi preso o músico Oziel Franklin Estrela Gomes e o agente …

Prefeitura de Rosário serve duas espigas de milho cruas para alunos em escola.

Os pais de alunos da escola municipal Maria da Mercês  Teixeira localizada no bairro Cidade Nova em Rosário, estão revoltados com a prefeita Irlahi Moraes, vários país  entraram em contato com o blog para denunciar que as crianças  da escola municipal  estão lanchando duas espigas  de milho onde muitas crianças ficam com fome.

A revolta do país é tão grande que as espigas de  milho até cruas estão sendo servidas na escola da rede municipal  de Rosário "Isso é uma vergonha uma maldade para com as crianças que estão passando fome na escola, como pode se servir duas espigas de milhos cruas para um criança que precisa  de uma merenda adequada de qualidade isso é uma vergonha um desrespeito" desabafa uma mãe ao blog .

A mãe que denunciou esse desrespeito da prefeita Irlahi mandou um vídeo que está rolando nas redes Sociais de uma outra mãe que está  revoltada para mostrar a veracidade do desrespeito que está acontecendo na escola Municipal Maria Mercês Teixeira.
A merenda tem que se…