Pular para o conteúdo principal

Delegacias no Maranhão são abandonadas pelo poder público, diz Sinpol

Delegacia de Peritoró
As delegacias de Polícia Civil no interior do estado estão funcionando de forma caótica. Delegados afastados da função por determinação da Justiça, quadro administrativo composto por funcionários terceirizados e a maioria funciona em prédio alugados ou cedidos sem haver nenhuma estrutura física. A denúncia foi feita ontem pelo Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol-Ma), que informou, ainda, que até mesmo as novas distritais policiais recentemente inauguradas estão com as mesmas problemáticas. A maior parte delas nem banheiros funcionam de forma adequada.
Delegacia de Carutapera à luz de vela

“Um verdadeiro caos, pois é dessa forma que caracteriza as delegacias do interior do estado”, desabafou o presidente do Sinpol-Ma, Elton Neves. Ele declarou, também, que mais de 90% dos prédios das delegacias são alugados. Inclusive, a Delegacia Regional de Pinheiro não tem sede própria.
Elton Neves disse ainda que a delegacia de Polícia Civil de Barreirinhas, que é uma cidade turística, funciona em um prédio alugado sem nenhuma estrutura física. Também há outras delegacias do interior do estado que o ambiente de trabalho é insalubre e isso pode até ocasionar problemas de saúde para o agente investigativo da Polícia Civil.
O presidente do Sinpol-Ma afirmou, também, que o quadro administrativo nas delegacias do interior é composto por pessoas contratadas pelas prefeituras e muitos gestores municipais acabam atrasando em até três meses o pagamento do salário desses servidores. “Há delegacias que o policial civil deixa de investigar um caso para fazer o trabalho administrativo”, disse Elton Neves.
Materiais jogados pelo chão em Peritoró

Desalojado
Na última sexta-feira, por exemplo, os policiais civis deixaram o prédio da delegacia de Peritoró por determinação à uma ordem judicial em virtude da falta de pagamento do aluguel. Elton Neves afirmou que esse prédio era alugado em nome de um terceiro que há mais de três anos não pagava o aluguel.
Elton Neves disse, também, que a maioria das delegacias do interior é alugada em nome de terceiros, inclusive de servidor e o alugue pago pela Prefeitura. “Um fato lastimável, pois é obrigação do Estado, e não da Prefeitura, ou de qualquer servidor, custear os gastos públicos com segurança”, afirmou o presidente do Sinpol-Ma.
Ainda segundo Elton Neves, por determinação da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a delegacia de Peritoró foi transferida para um quarto de alojamento do Quartel da Polícia Militar, mas, o espaço é inadequado. “Uma sala de oito metros quadrado vai acabar gerando desconforto para os policiais e até mesmo para o cidadão que recorre ao serviço”, explicou o presidente do Sinpol-Ma.
Interdição
No mês de maio deste ano, uma Ação Civil Pública conjunta, que foi elaborada pelo Ministério Público do Maranhão, por meio da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Barra do Corda, e a Defensoria Pública do Estado do Maranhão, pediu a interdição da Delegacia de Barra do Corda.
A medida liminar solicitada pelo Ministério Público e Defensoria Pública também solicitou a Justiça, no prazo de 90 dias, para que o Estado realizasse obras nessa delegacia. Entre os serviços necessários estavam à reforma do prédio, restauração das camas de cimento, isolamento da fiação elétrica e a restauração das instalações hidráulicas e sanitárias, além da construção de fossas sépticas em locais adequados.
Sem luz
No começo deste mês, duas delegacias da Polícia Civil no interior do estado tiveram a energia elétrica cortada em menos de 15 dias. Segundo a denúncia feita pelo Sinpol-Ma, somente este ano, por cinco vezes, a energia da delegacia de Carutapera teve a energia cortada por inadimplência e acabou provocando vários transtornos.
O último corte de luz ocorreu no último dia 1º e vários serviços foram suspensos por mais de 24 horas, prejudicando a população de Carutapera e municípios vizinhos. Alguns registros de flagrantes de crimes chegaram a ser feito no fórum da cidade.
No dia 24 de agosto, o fornecimento de energia elétrica do imóvel onde funciona a delegacia de Polícia Civil de Paraibano foi cortado e o motivo também foi o atraso de duas contas. Foram três dias na escuridão. Esse fato foi publicado no blog do jornalista e coordenador de reportagem do O Estado, Daniel Matos.
A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) informou, por meio de nota, que, devido a uma falha de comunicação, houve o desligamento em agosto, na sexta-feira, 25, da energia elétrica nas delegacias citadas. Contudo, a energia foi religada no sábado, 26, não havendo quaisquer prejuízos às unidades.
Suspenso
Ainda nesta semana, a pedido do Ministério Público do Maranhão, a Justiça determinou o afastamento cautelar, por um prazo de 180 dias, de Jean Charles da Silva, do cargo de delegado de Polícia Civil da cidade de Loreto. A Justiça também determinou a indisponibilidade dos bens do requerido, no valor de R$ 3.148,62.
Outro lado
O delegado Jefferson Portela, secretário de Segurança Pública (SSP), declarou ontem em entrevista à Rádio Mirante AM que já foi alugado um prédio para funcionar de forma adequada a delegacia de Peritoró e que a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra) já contatou uma empresa para concluir a construção da sede própria desse distrito policial. Inclusive, essa obra vai ser fiscalizada por uma equipe da SSP.
Portela informou, ainda, que a Corregedoria da SSP está apurando o porquê do prédio onde funcionava a delegacia de Peritoró ter sido alugado em nome de um terceiro. O secretário também disse que várias delegacias foram reformadas e inaugurados novos prédios, principalmente no interior. Além disso, a SSP inaugurou o Instituto Genético Florêncio, que funciona no prédio do Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, considerado como um dos mais modernos do país.
Frase
“Um verdadeiro caos, pois é dessa forma que caracteriza as delegacias do interior do estado”.Elton Neves, presidente do Sinpol-Ma.

Por OEstado do Maranhão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeita de Rosário compra caixões para enterrar toda a população da cidade

A prefeita de Rosário Irlahi Moraes, não  investe na saúde da cidade onde no hospital SESP não tem uma agulha e agora a gestora  pretende  enterrar toda população da cidade literalmente lançando um mau agouro aos Rosariense.
De acordo como mostra o contrato  a prefeita Irlahi, determinou a compra de mais de R$ 280 mil em caixões para defunto,  com a fornecedora Deusimar R. Ferreira, nome de fantasia Pax Nossa Senhora do Rosário. O caso deve gera polêmica e revolta onde a prefeita Irlahi pretende enterrar toda a população como mostra o contrato com a fornecedora.
O caso é parecido com o da ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou famosa com o título de prefeita ostentação. Lidiane foi condenada por gastar R$ 130 mil em urnas funerárias… Veja o contrato abaixo:


Três pessoas são presas durante megaoperação contra pedofilia em Rosário, São Luís e Paço do Lumiar

A Polícia Civil do Maranhão deflagrou na manhã desta sexta-feira (20), a operação ‘Luz na Infância’ que tem como objetivo apurar crimes de exploração sexual e pedofilia contra crianças e adolescentes. Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nos municípios de São Luís, Rosário e Paço do Lumiar. Três pessoas foram presas. Os alvos da operação foram identificados por meio de um levantamento de informações da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Com base nas informações e evidências coletadas em ambientes virtuais, foi instaurado um inquérito policial que resultou nos mandados de busca e apreensão emitidos pelo Poder Judiciário. A operação visa apreender computadores e dispositivos onde estão armazenados conteúdos de pedofilia infantil. As investigações estão sendo realizadas há seis meses e a ação envolve 1.100 policiais. Em São Luís, no bairro Santa Cruz, foi preso o músico Oziel Franklin Estrela Gomes e o agente …

Prefeitura de Rosário serve duas espigas de milho cruas para alunos em escola.

Os pais de alunos da escola municipal Maria da Mercês  Teixeira localizada no bairro Cidade Nova em Rosário, estão revoltados com a prefeita Irlahi Moraes, vários país  entraram em contato com o blog para denunciar que as crianças  da escola municipal  estão lanchando duas espigas  de milho onde muitas crianças ficam com fome.

A revolta do país é tão grande que as espigas de  milho até cruas estão sendo servidas na escola da rede municipal  de Rosário "Isso é uma vergonha uma maldade para com as crianças que estão passando fome na escola, como pode se servir duas espigas de milhos cruas para um criança que precisa  de uma merenda adequada de qualidade isso é uma vergonha um desrespeito" desabafa uma mãe ao blog .

A mãe que denunciou esse desrespeito da prefeita Irlahi mandou um vídeo que está rolando nas redes Sociais de uma outra mãe que está  revoltada para mostrar a veracidade do desrespeito que está acontecendo na escola Municipal Maria Mercês Teixeira.
A merenda tem que se…